A Necrópole

09 de Julho de 2017 Pr CJJacinto Poesias 174



Em uma cidade silenciosa eu vi
Túmulos grandes e outros tão pequenos
Entre sarças estranhas e ervas daninha
Flores tristonhas em vasos quebrados
As lagrimas todas no mar da saudade
O vândalo obscuro, assustado, sem piedade
Tudo misturado com nuvens celestes
Retratos de tantas gentes que já se foram
Partiram pro além, nos abandonaram
Histórias e sonhos escondidos na terra
Uns conhecidos outros misteriosos
Na solitária palavra de todos os lamentos
Num campo santo, o réu finado
Acorrentado nas ânsias de todas as duvidas
Ouvi as potencias de todos os ruídos
Pássaros cantam no entardecer
Como ancoras, adormecida num oceano
Que foram despertadas pelos açoites das ondas
Uma foz da falácia de todo o egoísmo
Eu vi uma cidade, uma estranha cidade eu vi
Destino sagrado de todo o pó vivente
Uns adormecem no leito frio das incertezas
Outros abraçam a aurora da germinação
Aguardam no vácuo, a ressurreição


Clavio J. Jacinto

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Bendito Amor Eterno há 9 horas

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 6


"Vendo" há 11 horas

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 6


"Te amo vinho tinto" há 13 horas

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 7


Gradeados há 14 horas

O céu está logo ali, depois dessa janela enjaulada... Meu amor é qua...
a_j_cardiais Poesias 48


Vida Artística há 14 horas

Não quero viver ao Deus dará... Sei que aqui, em se plantando tudo dá....
a_j_cardiais Poesias 38


"Eu sou boémio" há 14 horas

Eu em criança já era rebelde e um pouco vadio. Usufruía da noite, mesm...
joaodasneves Acrósticos 4