A Necrópole

09 de Julho de 2017 Pr CJJacinto Poesias 143



Em uma cidade silenciosa eu vi
Túmulos grandes e outros tão pequenos
Entre sarças estranhas e ervas daninha
Flores tristonhas em vasos quebrados
As lagrimas todas no mar da saudade
O vândalo obscuro, assustado, sem piedade
Tudo misturado com nuvens celestes
Retratos de tantas gentes que já se foram
Partiram pro além, nos abandonaram
Histórias e sonhos escondidos na terra
Uns conhecidos outros misteriosos
Na solitária palavra de todos os lamentos
Num campo santo, o réu finado
Acorrentado nas ânsias de todas as duvidas
Ouvi as potencias de todos os ruídos
Pássaros cantam no entardecer
Como ancoras, adormecida num oceano
Que foram despertadas pelos açoites das ondas
Uma foz da falácia de todo o egoísmo
Eu vi uma cidade, uma estranha cidade eu vi
Destino sagrado de todo o pó vivente
Uns adormecem no leito frio das incertezas
Outros abraçam a aurora da germinação
Aguardam no vácuo, a ressurreição


Clavio J. Jacinto

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
CONTOS DO ANDARILHO A MULTIPLICIDADE NA UNIDADE. há 1 dia

CONTOS REFLEXIVOS DO ANDARILHO ...
paulocesar Acrósticos 14


A Motivação Correta há 2 dias

“Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais deba...
kuryos Artigos 18


A CALÇADA DE PEDAÇOS DE OUTRAS CALÇADAS há 2 dias

Ele acreditava em seu mundo; seu mundo, também esperava por ele. Ele se...
paiva Poesias 31


Ir, importa mais que a direção. há 2 dias

Vens, ama-me de vez em quando, Ainda quem sem tanto interesse. E assim pe...
elisergio Sonetos 16


A CASA DE BARRO há 3 dias

A CASA DE BARRO Por Roosevelt Vieira Leite A casa de barro de minha cun...
paiva Poesias 39


MULHER-ESPETÁCULO há 3 dias

MULHER-ESPETÁCULO Ela sozinha vale já o ingresso!... Seminua no palco...
ricardoc Sonetos 23