Arremedo de Poeta

05 de Agosto de 2017 Benê Lima Poesias 70

Minha poesia é arremedo,
lugar comum, banalização, e outros que tais.

Caricata como é,
o que menos a desagrava
é não se deixar esquadrinhar pelo racionalismo
- verdadeira antítese poética.

Sem tom, sem versos,
e entregue ao desalinho de versos e reversos desconexos,
segue, a transmutar-me, do patético ao poético,
do maléfico ao benfazejo,
da indiferença ao mais ardente desejo.

Prosa: visão de vida!
Poesia: cosmovisão!
Uma e outra: visão excludente;
combinadas: transcendente visão.

Queria que minha poesia,
tivesse a visão libertária dos poetas íntegros,
para que eu pudesse deles alçar o mesmo vôo,
e partir em debandada pelos ares do mundo.

Ao aterrissar; a prosa!
Ao decolar: a poesia!
Dualismo indispensável,
completude, macrovisão.

Minha prosa é arremedo,
minha poesia também;
mas o meu amor infinito em poesia,
e minha poesia infinita em seu amor.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
ALJÔFAR há 10 horas

ALJÔFAR Cintila sobre a face embevecida Essa lágrima só de maravilha...
ricardoc Sonetos 6


UM GULOSO CEGO NO CABARÉ há 10 horas

O homem chega no cabaré e a dona do brega oferece: -Tenho uma mulata e um...
reribarretto Humor 28


EM GRUPO há 11 horas

EM GRUPO Ser mais um entre muitos ou não ser? Eu, para bem ou mal, me ...
ricardoc Sonetos 7


CICATRIZES há 1 dia

As lágrimas não mais caiam, Pois já era um outro dia, Mas, ainda exist...
juniorcampos Indrisos 19


TODO O CÉU VAI TE PERTENCER há 1 dia

Não são só meu olhos que ficam feliz por te ver, meu corpo só sabe te...
juniorcampos Indrisos 14


Ê coração há 1 dia

Ê coração que gosta de bater, Com isso, eu que apanho... Acelera no pe...
juniorcampos Indrisos 10