A POESIA ENEVOADA

07 de Maio de 2012 daniel_amaral Poesias 475

O mar revoltoso me encantava o coração
Incitava-me a buscar sem devaneios,
Com os olhos carregados de esperança
A procurar na emoção do amor, os teus enleios...

Entre a cerração que ofuscava-me a procura
Buscava, ao som do mar em fúria de chuva e maresia,
Alguma marca dos teus passos pela branca areia
Donde as frenéticas ondas apagaram-te a travessia...

Caminhei assim por dias e tardes enevoadas
Sob nuvens enegrecidas, tormentosas de presságios
Onde aves negras voavam apressadas, aguerridas
A cortar o vento e a cantar à minha incansável busca
Num cantar lúgubre e pesaroso, como num adágio

Caí por terra a prantear a procura tanta
Que parecia fadada ao desencanto, infortúnio
Quando, por entre a bruma enevoada,
Por entre raios e trovoadas, num instante
Ao longe, sob um arco-íris desfraldado,
Trêmula e encharcada, tu também me buscava


A Poesia Enevoada
(Daniel Amaral)
15/10/2009

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11