Um dia eu acordei e
Um dia eu te senti como
Uma anotação velha que já não faz mais sentido.

Um dia eu acordei e te senti como brinquedo velho
Brinquedo que se brinca, estraga e joga fora
Anotação que se amassa, e joga fora.
As coisas vão perdendo o seu sentido.

Um dia, eu acordei, e, te senti como
Blusa que fica velha e se dá pros outros.
Abraço que no entrelaçamento dos braços não se sai da superfície.
Anotação e brinquedo.
Eu jogo fora.

Ao acordar, um dia, eu te senti como velharias que deixo acumular sobre minha mesa e gavetas, até o dia em que as junto, e jogo fora.

Eu acordei um dia e te senti:
Como livro, que já não se lê, e joga fora.
Como papel de bombom, que já se comeu, e joga fora.
Como caneta sem tinta, que já se escreveu, e joga fora
Como brinquedo, que se brinca, e joga fora
Como anotação, que perde o seu sentido, e joga fora.
Como celular, que se salva o chip, e joga fora.
Como velhos amigos, que já não se vêem, e joga fora.
Como pote de mel, que já adoçou muitos chás, e joga fora.
Como cadernos, que já se estudou, e joga fora.
Como água tratada, que relaxa o banho, e joga fora.
Como garrafas vazias, que se embriagava, e joga fora.
COrPOS DESCARTÁVEIS, DONDE JÉ SE BEBEU, E NÃO SERVE MAIS.


(eu me culpo pela falta de sentido,
porque já não sinto)

.
.
.


'Podemos começar de novo?'


SOBRE EU JOGO FORA!.