FLAGRUM

14 de Setembro de 2017 Pr CJJacinto Poesias 100



Um eco na carne santa
Um rasgo na alma pura
A dor que dilacera o corpo
O vil terror dos meus pecados

Um açoite que devora a doçura
Uma trincheira aberta no coração
A agonia das feridas abertas
A Fome de meus pecados vorazes

Um atrito na face inocente
O acido de todas as tribulações
A matriz de todas pérfidas aflições
Meus indignos pecados

O flagrum rasga os lamentos
Gemidos afogados num oceano
As mãos eram dos carrascos
Mas o crime eram os meus pecados

Clavio J. Jacinto


Leia também
CORNÓPOLIS. há 2 horas

Em Cornópolis tudo é malandragem. Tudo termina em pizza, quando o sujei...
reribarretto Humor 26


um amor incondicional épico! há 18 horas

Quão linda estas hoje amada minha! Não, não fale nada, aprecie o mome...
diannahgomes Mensagens 12


Tentando há 18 horas

Estou mantendo-me de pé por questão de escolha, pois por tudo que sucede ...
diannahgomes Pensamentos 12


pensamentos há 18 horas

Eu não preciso nem fechar os meus olhos que eu te vejo, Que eu te sinto, ...
diannahgomes Poesias 10


SOU PRA VOCÊ... há 2 dias

SOU PRA VOCÊ... Sou pra você mais do que mereço Você sempre atent...
seldaantunes Poesias 56


Rouba-me! há 2 dias

Rouba-me! Surge assim do nada e rouba-me! Rouba-me meu amor e ainda...
seldaantunes Poesias 42