FLAGRUM

14 de Setembro de 2017 Pr CJJacinto Poesias 120



Um eco na carne santa
Um rasgo na alma pura
A dor que dilacera o corpo
O vil terror dos meus pecados

Um açoite que devora a doçura
Uma trincheira aberta no coração
A agonia das feridas abertas
A Fome de meus pecados vorazes

Um atrito na face inocente
O acido de todas as tribulações
A matriz de todas pérfidas aflições
Meus indignos pecados

O flagrum rasga os lamentos
Gemidos afogados num oceano
As mãos eram dos carrascos
Mas o crime eram os meus pecados

Clavio J. Jacinto


Leia também
ALJÔFAR há 10 horas

ALJÔFAR Cintila sobre a face embevecida Essa lágrima só de maravilha...
ricardoc Sonetos 6


UM GULOSO CEGO NO CABARÉ há 10 horas

O homem chega no cabaré e a dona do brega oferece: -Tenho uma mulata e um...
reribarretto Humor 28


EM GRUPO há 11 horas

EM GRUPO Ser mais um entre muitos ou não ser? Eu, para bem ou mal, me ...
ricardoc Sonetos 7


CICATRIZES há 1 dia

As lágrimas não mais caiam, Pois já era um outro dia, Mas, ainda exist...
juniorcampos Indrisos 19


TODO O CÉU VAI TE PERTENCER há 1 dia

Não são só meu olhos que ficam feliz por te ver, meu corpo só sabe te...
juniorcampos Indrisos 14


Ê coração há 1 dia

Ê coração que gosta de bater, Com isso, eu que apanho... Acelera no pe...
juniorcampos Indrisos 10