FLAGRUM

14 de Setembro de 2017 Pr CJJacinto Poesias 196



Um eco na carne santa
Um rasgo na alma pura
A dor que dilacera o corpo
O vil terror dos meus pecados

Um açoite que devora a doçura
Uma trincheira aberta no coração
A agonia das feridas abertas
A Fome de meus pecados vorazes

Um atrito na face inocente
O acido de todas as tribulações
A matriz de todas pérfidas aflições
Meus indignos pecados

O flagrum rasga os lamentos
Gemidos afogados num oceano
As mãos eram dos carrascos
Mas o crime eram os meus pecados

Clavio J. Jacinto


Leia também
"Estou triste" há 2 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 4


"Estou cá a matutar" há 2 horas

Esses dias ando meio triste muito confuso, ando a querer isolar-me, f...
joaodasneves Pensamentos 4


A Humildade nos Cai Bem há 7 horas

Se o domínio total é do Senhor, porque o poder pertence a ele, isto dever...
kuryos Artigos 8


Fuga da Inspiração há 8 horas

Preciso terminar um poema que comecei numa empolgação danada... Dep...
a_j_cardiais Poesias 39


Um Dilema há 9 horas

Estou aqui reclamando da minha "vidinha", enquanto tem alguém por aí que...
a_j_cardiais Poesias 38


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 6 há 11 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 15