O Cais das Constelações

25 de Setembro de 2017 Pr CJJacinto Poesias 241


Que de infinito nada penso
Se os mares dessas sombras chegam
Em ímpetos de sopros ao incerto
Como as montanhas descascadas ao pudor

Naus de luzes em noites tranquilas
Astros que brilham na dança do espectro
Barcos de Veneza em águas escuras
O véu da imensidão aos meus olhos

De visão carcomida pelas limitações
Num velho monturo, a semente incerta
Estou eu contemplando
Nesse breve momento que se chama vida

Esperando o próximo retorno
Daquela triste partida ao infinito
Onde eu e minha alma seguimos
Desde o cais desse porto sem águas..


CJJ


Leia também
"Estou triste" há 2 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 4


"Estou cá a matutar" há 2 horas

Esses dias ando meio triste muito confuso, ando a querer isolar-me, f...
joaodasneves Pensamentos 4


A Humildade nos Cai Bem há 7 horas

Se o domínio total é do Senhor, porque o poder pertence a ele, isto dever...
kuryos Artigos 8


Fuga da Inspiração há 8 horas

Preciso terminar um poema que comecei numa empolgação danada... Dep...
a_j_cardiais Poesias 39


Um Dilema há 9 horas

Estou aqui reclamando da minha "vidinha", enquanto tem alguém por aí que...
a_j_cardiais Poesias 38


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 6 há 11 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 15