O Cais das Constelações

25 de Setembro de 2017 Pr CJJacinto Poesias 165


Que de infinito nada penso
Se os mares dessas sombras chegam
Em ímpetos de sopros ao incerto
Como as montanhas descascadas ao pudor

Naus de luzes em noites tranquilas
Astros que brilham na dança do espectro
Barcos de Veneza em águas escuras
O véu da imensidão aos meus olhos

De visão carcomida pelas limitações
Num velho monturo, a semente incerta
Estou eu contemplando
Nesse breve momento que se chama vida

Esperando o próximo retorno
Daquela triste partida ao infinito
Onde eu e minha alma seguimos
Desde o cais desse porto sem águas..


CJJ


Leia também
ALJÔFAR há 10 horas

ALJÔFAR Cintila sobre a face embevecida Essa lágrima só de maravilha...
ricardoc Sonetos 6


UM GULOSO CEGO NO CABARÉ há 10 horas

O homem chega no cabaré e a dona do brega oferece: -Tenho uma mulata e um...
reribarretto Humor 28


EM GRUPO há 12 horas

EM GRUPO Ser mais um entre muitos ou não ser? Eu, para bem ou mal, me ...
ricardoc Sonetos 7


CICATRIZES há 1 dia

As lágrimas não mais caiam, Pois já era um outro dia, Mas, ainda exist...
juniorcampos Indrisos 19


TODO O CÉU VAI TE PERTENCER há 1 dia

Não são só meu olhos que ficam feliz por te ver, meu corpo só sabe te...
juniorcampos Indrisos 14


Ê coração há 1 dia

Ê coração que gosta de bater, Com isso, eu que apanho... Acelera no pe...
juniorcampos Indrisos 10