Semeio o meu silencio no coração
O amor em mil cores, essência e sonhos
As campinas, berçário das flores
As rosas, espinheiros e seus perfumes
Um sonhar mais lúcido do puro amor

Vôo por entre olhos de vidro, tão lindos
Um campo cheio do azul em lírios
A lua ilumina meus ultimo sorrisos
Pois há uma nova estrada que desponta
Por trás daquele singelo brilho do entardecer

Eu deixo todas as magoas do absinto
Para penetrar na alma de todos os espinhos
Ferir cada um deles em respostas brandas
Porque atrás do amor que tanto machuca
Há aquele fluir de doçuras tão afluentes
A vida na terra é uma doce amargura.

CLAVIO J. JACINTO