Negras Cortinas

10 de Junho de 2012 Gui Rhabelo Poesias 450

Caminhando pelas veredas da vida experimentei diversos sabores, contemplei inúmeros pores – do – sol. Cada um com seus mistérios
Trilhei caminhos desconhecidos pela cartografia, alguns eram de beleza incomparável, outros, pareciam não levar-me a lugar algum
Conheci a suavidade das chuvas, que por vezes contaram-me seus segredos, fazendo com que dos meus olhos emanassem tempestades.
Andei, tropecei, levantei... E vi... Um céu distinto dos demais, o sol tocava a pele e penetrava a alma. As mais belas constelações escondiam-se nas negras cortinas da noite. O brilho jamais visto, as estrelas que não foram admiradas...
Juro por todos os céus, que o fechar de teus olhos guarda consigo os mais fascinantes segredos, segredos que norteiam minha caminhada. Meu destino. Minha jornada.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
NA REBORDOSA há menos de 1 hora

NA REBORDOSA Acordo e já começa a girar tudo... Olhos cerrados contra...
ricardoc Sonetos 4


PLEONÁSTICO n°2 há 21 horas

PLEONÁSTICO n°2 Encarasse de frente, não soslaio... Talvez, olhos no...
ricardoc Sonetos 4


ANTIFACISTA há 22 horas

ANTIFACISTA De irrestível apelo aquela união De fortes se fazendo 'in...
ricardoc Sonetos 5


A rua me aceita como sou há 1 dia

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 77


Não seja superficial há 1 dia

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 90


"Dia do amor" há 1 dia

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 14