Deixem os poetas serem como os pássaros:
cada um com seu versar.
Os pássaros são livres na Natureza.
Cada um com seu cantar.

Há gosto para todo lado...
Tem gente que gosta do trinado
do canário.

Tem gente que gosta do “martelado”
do canção de fogo.
(talvez um ferreiro aposentado)

Há o grasnido do corvo,
o piado do pássaro novo,
o gorjear de todos os pássaros...

Deixem os poetas livres...
Cada um com seu modo
de gorjear.

A.J. Cardiais
07.01.2011