INSÔNIA

06 de Junho de 2018 Maria Hilda Poesias 25


Da boca saem as notas do canto,
Da alma o som do suspiro,
Dos olhos rola a água do pranto:
Onde estão os versos que aspiro?

Levou-os a insônia, e eu tonta não via,
Que todos já eram defuntos
Guardados em morgue de alegoria,
Estagnados e todos juntos

São fantasmas da noite quieta.
Batem janelas e portas da casa.
E o meu coração de poeta,
Munido de diáfanas asas,

Leva meus pensamentos ao espaço.
Nos meus olhos nem sinal de sono,
No rosto rugas sinalizam o cansaço,
E na mesa os papéis em abandono

Lembram brancas pombas
Sacrificadas ao deus do verso
Pela pena que depois tomba
Possuída por um prazer perverso,

De não mediar a disputa da inspiração
Com esta insônia que me domina,
Fazendo-me ambulante assombração
Na noite longa que não termina.


Maria Hilda de J. Alão

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Bendito Amor Eterno há 19 horas

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 11


"Vendo" há 21 horas

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 7


"Te amo vinho tinto" há 23 horas

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 9


Gradeados há 23 horas

O céu está logo ali, depois dessa janela enjaulada... Meu amor é qua...
a_j_cardiais Poesias 50


Vida Artística há 23 horas

Não quero viver ao Deus dará... Sei que aqui, em se plantando tudo dá....
a_j_cardiais Poesias 41


"Eu sou boémio" há 23 horas

Eu em criança já era rebelde e um pouco vadio. Usufruía da noite, mesm...
joaodasneves Acrósticos 5