Meus livros já estão sem letras
Meu papel sem cor
Com a caneta vazia
Que não escreve nem a dor
Em cada noite de marzia
faz-me lembrar de um amor
De alma triste e fria
A necessitar de muito calor...