"À noite"

10 de Julho de 2018 Tsunami de lágrimas Poesias 14

À noite,
eu me escondo como o sol,
tentando ocultar as artérias,
da minha solidão,
do meu desespero,
procurando afugentar as mágoas
que caminham,
em cada um dos meus passos,
À noite
as dores,
as saudades,
os antigos abraços,
as lembranças que vagueiam,
nas almas perdidas dos meus abandonos.
À noite,
aguardo as estrelas
como quem espera, ter companhia em cada uma delas
e ter a última chance de ser feliz.
Os pássaros se escondem à tarde
voltando aos seus recantos,
aos seus abrigos.
sem entoar mais os seus cantos
À noite,
eu não tenho para onde voltar
senão para dentro de mim,
tentando me identificar
e eu mesmo me encontrar...

Tsunami de lágrimas Luzern, 5 Maio 2014,

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
PLEONÁSTICO n°2 há 4 horas

PLEONÁSTICO n°2 Encarasse de frente, não soslaio... Talvez, olhos no...
ricardoc Sonetos 4


ANTIFACISTA há 6 horas

ANTIFACISTA De irrestível apelo aquela união De fortes se fazendo 'in...
ricardoc Sonetos 4


A rua me aceita como sou há 8 horas

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 45


Não seja superficial há 9 horas

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 61


"Dia do amor" há 12 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 12


"Estou triste" há 20 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 14