Quando ouço os risos
Imagino muitos guizos
Pequenos, bem pequeninos
Soando no céu e por isso,

Sei que são os espíritos
Das inocentes crianças
Que nos ensinam a amar,
Pois adulto é tão carente,

Incapaz de compreender
A simplicidade da vida.
Singelas e feitas de luz
Para elas não há embaraços

Ao exprimirem a verdade,
Como professor elas ditam,
Com a didática da alma,
Para o adulto escrever

E ao mesmo tempo saber
Que para ter uma vida feliz
Ouça a sua criança
Com paciência e amor.


Maria Hilda de J. Alão