O homem é escravo de seus símbolos.
Serve-os prontamente de geração em geração.
Poucos foram os que perguntaram sobre isso:
Havia uma cidade gelada.
Suas praças eram geladas.
Suas estátuas eram geladas.
Seus monumentos eram também gelados.
Suas casas tinham telhados gelados.
Seus prédios eram tão gelados quanto às leis que regiam os moradores da cidade.
O sol nasceu forte certo dia.
O gelo da cidade derreteu.
O gelo levou consigo a cidade.
Em seu lugar ficou uma poça de água fria.