Trabalho com o amor, o posso aplicar em forma de poesia, sou maleável e posso ser cantor, ás vezes acordo a noite e choro, choro por ser sonhador.
Também trabalho com fracassos, e daí surge a minha inspiração, aspiro fazer coisas das quais nunca as farei, não consigo arranjar trabalho nenhum, ninguém mais precisa de mim, ninguém mais valoriza os meus serviços, mas se um dia, se um dia ainda precisarem de mim estarei lá, provavelmente não nesse trabalho, mas exercendo tarefas sem paixão, mas estarei lá, para recolher poesias e recortes velhos, guardados em um baú no chão.