Uma triste esperança...

01 de Abril de 2013 MCSCP Poesias 432

Acalento em meu peito uma triste esperança...
Sonho com o dia em que o desamor
Se tranforme em estima e importância
E que, num forte abraço, eu possa esquecer a dor

A dor da indiferença daquele de quem carrego o sangue nas veias
A dor pelo abandono afetivo e por ele ter me ignorado a vida inteira
A dor por eu nunca ter recebido uma explicação
A dor por ele ter gerado uma ferida em meu coração

De pai, eu não posso chamá-lo,
Visto que ele nunca esteve ao meu lado
Dele, eu nunca recebi amor
Apenas seus genes, ele me doou

Ainda assim, eu desejo encontrá-lo um dia...
Mesmo que ele nunca queira me chamar de filha
Mas ele não pode negar que me gerou
Pois sua aparência, em mim, ficou

Tão semelhantes, tão distantes...
Ele nunca me procurou
Eu tentei me aproximar, vacilante,
E um muro de indiferença se levantou

Agora, choro sozinha...
Como num eterno luto
Pois, desde criancinha,
Sonhei que era doce quem, na verdade, é um bruto


(Maria Cleide da Silva Cardoso Pereira)

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
PLEONÁSTICO n°2 há 3 horas

PLEONÁSTICO n°2 Encarasse de frente, não soslaio... Talvez, olhos no...
ricardoc Sonetos 4


ANTIFACISTA há 5 horas

ANTIFACISTA De irrestível apelo aquela união De fortes se fazendo 'in...
ricardoc Sonetos 4


A rua me aceita como sou há 8 horas

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 45


Não seja superficial há 9 horas

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 58


"Dia do amor" há 12 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 12


"Estou triste" há 19 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 14