Nos registros por aí.

07 de Junho de 2013 Lorrana Poesias 327

Era a louca cabeça de vento.
Quando de vento em poupa, vendava seus pensamentos.
E os libertava. Junto com palavras deformadas, que só tinham sentido em sua mente.
E suas ideias confusas, difusas, ofuscadas.
Tinha a visão diferente, em cada canto, caras diferentes.
Sorrisos em muros emburrados.
Desgosto em sambas agitados.
O coração palpitava em cada aventura imaginária, e se via lutando com dragões no espaço.
Se via a rainha dos mares. A heroína do deserto.
A amiga dos imperadores de planetas distantes.
Se via na companhia de seus mais queridos poetas, dos mais consagrados cantores.
Gostava do mundo que havia criado.
Mas dentro dela, sabia que ele não duraria muito. Logo viraria a adulta cinza, cheirando a café e desilusões.
Por isso virou poeta, e todo o dia enquanto escrevesse, as palavras tomariam vida, e viveriam por ela.


Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11