Nos registros por aí.

07 de Junho de 2013 Lorrana Poesias 324

Era a louca cabeça de vento.
Quando de vento em poupa, vendava seus pensamentos.
E os libertava. Junto com palavras deformadas, que só tinham sentido em sua mente.
E suas ideias confusas, difusas, ofuscadas.
Tinha a visão diferente, em cada canto, caras diferentes.
Sorrisos em muros emburrados.
Desgosto em sambas agitados.
O coração palpitava em cada aventura imaginária, e se via lutando com dragões no espaço.
Se via a rainha dos mares. A heroína do deserto.
A amiga dos imperadores de planetas distantes.
Se via na companhia de seus mais queridos poetas, dos mais consagrados cantores.
Gostava do mundo que havia criado.
Mas dentro dela, sabia que ele não duraria muito. Logo viraria a adulta cinza, cheirando a café e desilusões.
Por isso virou poeta, e todo o dia enquanto escrevesse, as palavras tomariam vida, e viveriam por ela.


Leia também
Sintomático há 2 horas

Divagando pela favela, penso nela olhando a aquarela do sol se pondo. ...
a_j_cardiais Sonetos 25


"Minha humilde casinha" há 2 dias

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 18


Se Poema For Oração há 2 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 66


"Bailei com a solidão" há 2 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 15


Perseverar Até o Fim – Parte 1 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 30


Perseverar Até o Fim – Parte 2 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 13