Sob olhares, devaneio,
em escadas de pedras declamo.
Couraça da justiça me apodera
em tempos difíceis
quando nem mesmo a guerra
é capaz de atemorizar.

Correi com força!

Suor, passos em falso,
fugas noturnas
o berço do terror,
não lhe pude dar a mão,
pois meus pés seguem para as muralhas

Portai as santas armas!

Mantenha sua vista no alvo!
Não retroceda! Resisti ao inimigo,
ele levantará seu arraial
e baterá em retirada
logo ao som das trombetas!

Erguei louvor!

Levitas harpegiam as glórias ao Rei
já é vindo o tempo do resgate.
Trazei de volta as almas ao que É
Ofertai mais que ouro e prata,
trazei vosso fôlego!

Deleita-te no banquete.

Não façais segundo vosso intento.
Sentai em paz com vossos irmãos,
partilhai o pão, sem ânsias de intrigas,
pois correste, lutou, e louvaste com eles.
Sejais um, assim, vencereis.