Monotonia do cansaço

11 de Agosto de 2013 Nicole Elis Poesias 353

Do meu ar
Arrancado aos poucos
Despi-me.

Aos olhos de criança
Queimamos nossos corpos.
O sangue ferve.

O gosto azedo
Da vida que insiste em existir
Torna-nos pobres coitados.

Todos os olhares ao redor
Tornam-se nada
E tudo desaparece.

As nossas vidas são jogadas
Longe de onde podemos ver,
Nos perdemos

Os passos são arrastados,
Nossos ombros já não aguentam mais,
E tudo vira nada.


Leia também
Mancha de Batom há 2 horas

Você se foi... Agora só resta a mancha de batom num copo, que me faz...
a_j_cardiais Poesias 42


Poesia Impura há 2 horas

Não deixe a poesia pura. Deixe um pouco de gordura e algum resquício de...
a_j_cardiais Poesias 38


REMEXENDO OS GUARDADOS há 15 horas

Entre as páginas amareladas Dum velho romance de amor Guardei a carta pe...
madalao Poesias 11


CLAMOR ( rondel) há 15 horas

Justiça! Vivo clamando aos quatro ventos. Silêncio! Porque resposta eu n...
madalao Rondel 6


OH HOMEM! (rondel) há 15 horas

Oh homem! Teus calores me agitam, E meu corpo fica em estado convulsivo. ...
madalao Poesias 7


E AGORA? (rondel) há 15 horas

E agora? Que podemos fazer? Remediar é coisa que não adianta. O mal f...
madalao Rondel 8