Melancolia Passada

13 de Agosto de 2013 Renan Nunes Poesias 307

Aqui estou eu, novamente,
Deitado em uma cama de hospital, deprimente.
Amarras prendem minhas pernas e braços.
Pareço um ninguém naquele pequeno espaço.

Observando-me pelo quadrado de vidro da porta,
Ouço dois sujeitos comentando: ''- esse aí, não tem volta!''
Dizem que fui longe demais,
E que nem eles sabem como fui capaz.

Neste exato momento, ensaio uma fuga.
Alguém em pé, olha para mim, sorri e põe uma luva.
Segundos após, ele pega uma seringa.
Também consigo dizer: aí está a minha saída''.

Sei que acordei assustado, aliviado, era só um pesadelo.
Confesso que, mesmo assim, tive medo.
Então, olhei para o lado e vi o médico
Agradeci e pedi para que não esquecesse da minha dose de remédio.


Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11