No escuro das esquinas do meu ser,sozinha com a noite solitaria,
uma insonia,interrompe-me o sono
é um sinal,da chegada da dor,que eu ja conheço

virando as esquinas do meu ser
encontro um vago vazio no peito,
fechando as janelas da alma protejo-me
mas de que?
minha pior inimiga eu mesma,
enfrentando o escuro da solidao encontro-me por fim
lagrimas presas,quando so na multidao,
lagrimas escorrem facil na face,
quando solitaria,pede atençao
lagrimas,entoando frases
mas de que?
a solidao que faz refletir,ensina-me
essa estranha coragem
mas de que?

virando as esquinas do meu ser
folhas caem no chao
folhas secas que o vento varre sem direçao
nessa hora nada faz sentido
parece nao haver mais soluçao

virando as esquinas do meu ser
duvidas corroem a alma em dor
dor que dispersa o amor
o amor que espera na porta
nao entra por nao combinar com rancor

virando as esquinas do meu ser
procurando encontrar-me
de que?
o coraçao vazio
trava-se
a voz da alma cala-se,

virando as esquinas do meu ser
vem-me perguntas sem respostas
mas porque?
o passado que doi,rouba o presente,e corroi..

mas...derrepente...

virando as esquinas do meu ser
toda fraqueza transformando-se em forças
mas de onde vem?
olho para o ceu nublado
transformando-se num fascinante ceu azul
mas como?
a alma vazia sendo intensamente preenchida de amor
mas de onde vem?
olho novamente para o alto
e encontro-me,tudo clareia-se,
uma chance para o ser arrependido
um olhar de amor olhando para mim
um forte braço levanta-me do chao
essa mao enchuga-me as lagrimas
e entrega-me um novo coraçao
o ouvido de Deus se inclinando,para ouvir meu simples clamor
ha clareza nos pensamentos,
essa luz,clareia-se preenche-me
chama-se
Jesus
o legitimo amor!!!