animal

16 de Setembro de 2013 Luciah Lopez Poesias 272

Da noite
As trevas me perseguem.
Ondulam entre meus pés
O fino capim da ribeira fria.
Galopam em meu dorso
Um tropel de emoções
Angústia, medo, solidão...
Sem ter para onde ir
Fecho os meus olhos
E sinto o peito explodir
Num fogaréu que arde os olhos
Do animal que me toma.
O ar úmido da floresta
Passa por mim
Entre os ruídos e silvos noturnos
A sede me sacode
Em respingos d´água fria
Escorregantes gotas da luz da lua
Na minha pele espessa.
Folhas mortas acariciam meus pés
Entre um passo e outro
Um trôpego galope de
Suor e sangue
Neste descaso que irrompe o avelhar do tempo
Mesclando para sempre
A minha memória e a ilusão
De estar viva.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"Confesso-te que..." há 3 horas

Ao perder um grande amor, Confesso que até chorei, Mesmo assim tudo ...
joaodasneves Poesias 5


Vida Pela Via da Fé há 6 horas

O que poderia o ministério da Lei sob o Antigo Testamento, fazer por si m...
kuryos Artigos 9


Para quem é a Mudança da Lei de Moisés há 8 horas

O apóstolo Paulo afirma que o crente não está sob a lei e sim sob a gr...
kuryos Mensagens 5


Cultivando Observações - 1 há 10 horas

Eu vivia arrastando silêncios, pelas plataformas da vida. Agora dispenso...
a_j_cardiais Poesias 18


"É tarde demais" há 12 horas

Não há mais tempo Não adianta agora chorar É tarde demais. É tarde ...
joaodasneves Poesias 11


"Amada Amante"... há 12 horas

A primavera chegou, sai como sempre o dia estava bonito, o sol brilha...
joaodasneves Prosa Poética 8