animal

16 de Setembro de 2013 Luciah Lopez Poesias 279

Da noite
As trevas me perseguem.
Ondulam entre meus pés
O fino capim da ribeira fria.
Galopam em meu dorso
Um tropel de emoções
Angústia, medo, solidão...
Sem ter para onde ir
Fecho os meus olhos
E sinto o peito explodir
Num fogaréu que arde os olhos
Do animal que me toma.
O ar úmido da floresta
Passa por mim
Entre os ruídos e silvos noturnos
A sede me sacode
Em respingos d´água fria
Escorregantes gotas da luz da lua
Na minha pele espessa.
Folhas mortas acariciam meus pés
Entre um passo e outro
Um trôpego galope de
Suor e sangue
Neste descaso que irrompe o avelhar do tempo
Mesclando para sempre
A minha memória e a ilusão
De estar viva.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
A rua me aceita como sou há 1 hora

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 28


Não seja superficial há 1 hora

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 36


"Dia do amor" há 4 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 9


"Estou triste" há 12 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 13


"Estou cá a matutar" há 12 horas

Esses dias ando meio triste muito confuso, ando a querer isolar-me, f...
joaodasneves Pensamentos 9


A Humildade nos Cai Bem há 17 horas

Se o domínio total é do Senhor, porque o poder pertence a ele, isto dever...
kuryos Artigos 9