Foi uma jaqueta preta que me conquistou,
Quem estava dentro dela nem sequer me olhou.
Passeei em teus cabelos cacheados,
Pouco clareados.
Mergulhei no oceano de teus olhos esverdeados,
Quase me afoguei...
E de tanta paixão
Senti sofrer meu coração.
Um homem todo trabalhado,
Encorpado e não malhado,
Que a natureza desenhou...
É uma estátua grega a conquistar,
Eu fico até sem jeito chego a delirar...
Mesmo sem intimidades
Até já te vi dormindo,
Como é lindo teu sorriso
E sei, não é pra mim.
Mirei direto em teus olhos,
Ficou meio angustiado,
Um suspiro desajeitado,
O que aconteceu?
E eu querendo olhar-te mais,
Não podia olhar pra trás,
É... Seria bandeira demais.
E enquanto os dias passam,
Vou te olhando disfarçando,
Hoje não, amanhã quem sabe,
Nessa estrada que seguimos,
No decorrer desse caminho,
Eu consiga esquecer essa sua jaqueta preta
Que insiste em me prender,
Em me amarrar,
E eu a sonhar... Em te amar...
E a sonhar... E a sonhar... E a sonhar...