Anjos a brincar/ Claudinéia Verneque

23 de Setembro de 2013 wernk Poesias 1031

Na beira da praia, fico em silencio.
Na areia me sento.
Olho para o céu, e vejo nuvens passarem, parece algodão.
Fixo meus olhos sobre elas, e imagino anjos brincando de esconde , esconde.
Meu coração palpita de repente me sinto criança.
E me encontro, a brincar, olho para o mar, e imagino que sereias ali estão a nadar, escondidinhas, a me observar.
Os pássaros voam em busca de algo no mar, o som que vem de longe é do vento.
Que sopra uma brisa quente, aquecendo o ar.

Levanto-me e corro para pegar conchas do mar.
E encontro crianças a brincar.
Nossa como é bom, ouvir teus risos, alegres.

Sinto-me, como o sol, que transmite luz, pois meu coração ensolarado está!
Vejo de longe alguém chegar, alegres a brincar.
Brincam como crianças, esquecem de tudo, como se neste momento, o paraíso ali está.
Não existe mais tristeza, pois como os anjos nas nuvens, que lá estão , brincam despreocupadamente. Fico a pensar.
Que dia, esplendido.
Passe o tempo que passar, este momento para sempre irei guardar.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 4 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 5


LAMPEJOS há 4 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 5


Deixe Esse Amor Crescer há 19 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 35


Ás palavras não são mais meu legado. há 20 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 7


Não há o que comemorar. há 20 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 20 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 7