Desvios

08 de Outubro de 2013 Lázaro Ferreira Poesias 353

Momentos tão intensos e vermelhos
claros-vivos nas transparências
com o perfume de várias essências
E uns distraídos reflexos dos espelhos

Desvio dos passos e das suas pegadas
Desvio do acelerado trôpego do seu coração
Desço do silêncio, me arrasto pelo chão
e descubro triste as suas mãos fechadas.

Nesse momento já não dizemos nada
apago os pensamentos em um cruzado violento
estamos miúdos e estilhaçados por dentro
sei que me resta o castigo forte da bordoada.

Agora que tudo já perdeu o seu calor
nesse desarrumado-quarto que exala
nossas palavras-abafadas para tão difícil fala,
o último arroto do vômito de todo pós-amor.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Poema Rosa Para um Dia de Sol há 7 horas

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 32


Poema Suado há 7 horas

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 28


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 10 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 7


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 10 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 1 há 10 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


""Ser deficiente, não é o final"" há 1 dia

Nos somos todos iguais, E ao mesmo tempo diferentes, Somos todos normais,...
joaodasneves Poesias 13