Olho a janela do tempo;
O vento bate e faz voar os meus pensamentos...
Chamo por você
E você segura a minha mão,
Leva o medo da escuridão dos meus dias
E tranquiliza o meu coração doente.
Já não sou só; somos nós:
Você vive em mim e isso basta!
Minha porta abre-se
Para o desconhecido que ficou...
Sou um mar aberto
Para o seu infinito.
Força cintilante que me ocupa a alma
E faz brotar a esperança do pó.
Sigo, quase cega, os seus passos
E sinto o ocaso figurar no horizonte...
A mágoa do passado está no barco
Que afundou com a decepção
Na onda mais forte.
Agora, sou você, existo em você
E é por você que ainda estou aqui.