Eu olho para a vidaCertamente algo aliNão mais me encanta.Nada mais me tocaOu me faz sorrir.

Não queroPrazeres artificiaisDesejos superficiaisSentimentos nãoSe pedem, se criamPassam apenasA existir.

E quando aconteceÉ como um jardimQue floresce.Deve se cultivar.

Quero um jardimDe corações,Do meu ao teu.Para sempreNos amar.