Colhi meus sonhosno campo da esperançaenchi os celeiros da minha fénutri a minha almacom os mais doces frutos...o que restou...ah! o que restou?fiz pães sagradospara saciar meu pobre coraçãoque não cansa de caminharrumo a eternidade infinita(Clavio Jacinto)