Em sã consciência, a si mesmo iludir

Na sua idade, é só imaturidade

Iludir a outrem é pura má fé.

O ciúme suporta melhor a doença

Do ser amado prostrado na cama

Do que na sua desejada liberdade.

Desejar é cobiçar!

E possuir o que está a nós excitar

Os meios não estão a importar.

Trair é dar a entender

É deixar transparecer

E o diabo nada mais é que o excesso do excesso

Como a vida vivida entre verdades e mentiras.

Sexo, ele deseja a todo o momento

Ela, só nos momentos que deseja

Pena que só tarde demais

Saberão o tempo que perderam

Deixando passar entre sonhos e pesadelos

A felicidade palpável.

Se todos estamos a transgredir

O que nos autoriza o julgar?

E quando eu morrer pegue o que servir

E oferte para quem necessitar

O que não servir, doe assim mesmo!

Nesse mundo tem muita gente que merece.