Que minha loucura seja perdoada

Que toda a insanidade seja esquecida

Afinal qual sentimento é são?

Eu sou sentimentos e emoções

Como poderia então eu ser sã?

Minha loucura é justificada

Por essa paixão desembestada

Sim, paixão, que me arde à pele

Que me causa arrepios

Que me deixa acordada e me faz sonhar

A lembrança do seu sorriso, ainda me faz sorrir

Enquanto a sua ausência, ainda me faz chorar

Meu mal necessário, minha doença

Talvez até seja parte do meu DNA

Tão gravado em mim, cicatrizado, tão profundo

Tão maléfico quanto possa ser a paixão

Tão demente, quanto à razão permite

Eu sou o momento de loucura, de angustia

O riso inexplicável e o choro comedido

Eu sou o amanhecer ensolarado

E a noite de tormenta

Eu sou a febre que me causa

E o frio que minha alma sente

E ainda que condenada seja

Eu sou a loucura inexplorada