Quisera fazer um poema
por antecipação
Escrever-vos uns versos transpirando emoção
Dizer algumas palavras
Pra lavar as almas


Mas emoção só apareceu-me
agora
Justo na hora
Que estava indo embora
E percebi que esta rota
Nunca mais feita será outrora


Quisera chorar umas
lágrimas de dor
E molhar o rosto
Com algo incolor



Mas até suas pálpebras
Taciturnas secaram


Quisera de sal sentir
aquele gosto
Cicatrizante natural a todo desgosto




Mas seu único consolo e manifestação
Não me veem dos olhos e sim das mãos
É a tinta que sai da caneta e mancha o papel.


Quisera fazer um poema de
despedida



Apenas quisera...
quisera...
Mas que quimera!