Uma tarde...

24 de Dezembro de 2013 Olympio Ramos Poesias 14

Foi no embalo de uma tarde

quando...

descambava o sol pelo poente

ela tão displicente ali dormia

estendida sobre a rede na varanda

uma agulha, uma linha... 

sob as mãos

um avental ainda novo que tecia



O silêncio ali era tamanho

que deitada na rede não percebia

uma ponta da saia

que caía

e outro lado da roupa descobria

uma parte da intimidade

que outra peça

com recato ali cobria...



E eu parado

com os olhos nesta cena

o meu corpo inteiro a tremer

e na moldura da roupa tão pequena

um pedaço de mim

sempre a crescer...

esta cena de rara maestria

outro ocaso

jamais repetiria

e a lembrança daquela tarde

guardo em mim

como se fora hoje aquele dia.



Leia também e divulgue: Os Grapiúnas, romance do Olympio Ramos, disponível na Amazon.com (leitura on line) e editora Creat Space (leitura impressa). obrigado a todos
Olympio Ramos

Cabo Frio, 24/12/2013

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Sintomático há menos de 1 hora

Divagando pela favela, penso nela olhando a aquarela do sol se pondo. ...
a_j_cardiais Sonetos 25


"Minha humilde casinha" há 2 dias

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 18


Se Poema For Oração há 2 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 65


"Bailei com a solidão" há 2 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 15


Perseverar Até o Fim – Parte 1 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 30


Perseverar Até o Fim – Parte 2 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 13