Seguindo a sombra que me persegue
Descobri a vida fúnebre que seguia.
Aprendi severos ensinamentos.
Digamos alguns.
Não temo mais em dizer
Palavras que devem ser ditas
Mas o sistema nos corrompe!

A solidão era a minha velha e boa amiga,
Mas tinha a incerta esperança
De que uma certa companhia estava a minha espera.
Não temo mais em fazer
Atos que devem ser feitos,
Mas as mentes alienadas me corrompe!

Aprendi que a morte não é uma saída,
É uma fuga da realidade.
Indago, quem poderá afirmar que determinado
sofrimento não nos acompanhará para as outras vidas?
Ouça seus choros, e entenderá a sua sina!