Fria Madrugada

29 de Janeiro de 2014 Vinicius Afonso Poesias 518

Fria madrugada, em que eu te abraçava.

Caminhei até a água para matar sua vontade.

Eu olhava seu sorriso e imaginava.

Se toda aquela beleza era verdade.

Fria madrugada, em que eu não lembrava.

Que sua presença, não existia.

Eu aparecia na tua solidão e te salvava.

Mas não te encontrava nas minhas tardes vazias.

Fria madrugada que virou manhã, sem nada.

Estranhei quando o sol se escondeu.

Procurei seus olhos pela estrada.

Mas o meu amor não apareceu...

Fria madrugada em que eu esperava.

Achei que ela voltaria para mim.

Olhava para o céu e procurava.

O Final de uma madrugada sem fim...

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 13


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 10


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 10


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 11


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8