Quando era criança sonhava

era tão belo, imaginava

o que teria atrás do morro que eu via,

da varanda da janela, eu pensava

a curiosidade então se acendia...



Era o morro verde, outro dia azulado

eu pensava: o que tem do outro lado?

a vontade que eu sentia

eu queria, ter o mistério desvendado

sonhar era o que da janela eu fazia



Curioso com o coração não saciado

olhava da rua o morro meio descampado

em uma arvore, então subia

queria ver o além morro revelado

ah, o que tem lá? eu não sabia



Um dia eu olhei  no espelho e descobri

Meu Deus! olha só eu já cresci!

o morro perdeu então, todo o teor misterioso

o enigma do morro não estava mais ali

somente eu adulto desdenhoso



A montanha está lá glamorosa, no mesmo lugar

eu mudei, já não quero saber o que tem lá

a curiosidade infantil evanesceu, virou um nada

perdi o dom infantil de imaginar

tornei-me eu mesmo uma montanha indecifrada



Clavio Juvenal Jacinto