Decifrar o impossível

03 de Agosto de 2011 Gisela Cardoso Poesias 553

Meus olhos já ardem pelo sal deixado
Pelas lágrimas derramadas que deixei
Cair em valor de ti.
Só queria que minhas lágrimas tivessem
Um valor. Não capital,
Mas sim de consideração e ternura.
Amor? eu tentei, eu tento e tentarei descobrir
O mistério deste sentimento, desta dor
Que causa felicidade e sofrimento ao mesmo tempo.
Tempo? Não há cronologia para quem ama,
Para quem sofre de amor.
Sofrer de amor. Doença Maligna!
Ataca seus pensamentos, e logo
os outros sentimentos que são sufocados pelo silêncio.
Cura? Terá que conviver com as felicidades e dores.
Meus olhos já não ardem mais pelo sal deixado
Pelas lágrimas que deixei cair
Em amor por ti...

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
PAU DE FITAS há 2 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 4


PAU DE FITAS há 2 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 3


Falta de Amor ao Próximo há 7 horas

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 29


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 8 horas

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8


A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 12 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 16


ETERNAL (rondó) há 1 dia

ETERNAL (rondó) Não o poeta, sim a poesia Em cada verso haveria- De ...
ricardoc Poesias 8