Navios Errantes

06 de Março de 2014 Pr CJJacinto Poesias 250

Borbulham as águas e as bolhas
Flutuam naos ares e nuvens
A neve no penhasco a brilhar
Os botoes das flores e o frio
A rosa de Sarom e os sábios
Todos no mesmo instante, distantes
Dos olhos e das visões noturnas
Nascentes de naves que voam
Retorno dos arcaicos que voltam
As lampadas e os lenços da amargura
O mergulho do meigo olhar
Os mananciais do mel silvestre
A sombra da mognolia e a magma das rochas
As brasas e os balões coloridos
Todos no mesmo cesto da vida
Jogados no Nilo ou no Eufrates
Desembocando na foz das imaginações
Nau perdida
Ancorada nos portos do meu árido coração

Clavio J. Jacinto


Leia também
A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 4 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 6


ETERNAL (rondó) há 17 horas

ETERNAL (rondó) Não o poeta, sim a poesia Em cada verso haveria- De ...
ricardoc Poesias 7


Sintomático há 22 horas

Divagando pela favela, penso nela olhando a aquarela do sol se pondo. ...
a_j_cardiais Sonetos 41


"Minha humilde casinha" há 3 dias

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 21


Se Poema For Oração há 3 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 81


"Bailei com a solidão" há 3 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 19