A sombra do meu vulto

07 de Agosto de 2011 Odairjsilva Poesias 350

Na caminhada solitária a qual me propus andar
Vejo pessoas idênticas a me observar
Querem se sentir um pouco mais humanas
E não escondem as lágrimas a rolar.

As escolhas que fazemos nessa vida
Nem sempre são fáceis de decidir
Pois, nossa natureza sempre quer,
O que não podemos possuir.

O coração sofre as agruras da solidão
Porque almeja o brilho do seu olhar
Coisa que está distante de acontecer
Se não tens a pretensão de me amar.

Sou à sombra do meu vulto
Nos lugares sombrios a percorrer
Procurando dar esperança a minha alma
De que um dia possa me querer.

Se ainda não sentiu a brisa da manhã
Que carrega o meu sentimento
Deixe a janela aberta para sentir
O meu amor que te leva o vento.

www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Sintomático há 2 horas

Divagando pela favela, penso nela olhando a aquarela do sol se pondo. ...
a_j_cardiais Sonetos 25


"Minha humilde casinha" há 2 dias

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 18


Se Poema For Oração há 2 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 66


"Bailei com a solidão" há 2 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 15


Perseverar Até o Fim – Parte 1 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 30


Perseverar Até o Fim – Parte 2 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 13