Sapatos

14 de Março de 2014 ROOSEVELT Poesias 284

Debaixo da cama de minha mãe, eu via um par de sapatos todas as noites.

Os sapatos calados me lembravam um rosto triste.

Uma voz roca a suplicar alento.

Um dia inteiro de calor e labor intenso.

Um homem tenso.

De corpo magro e pele branca.

De bigode grosso sobre lábios finos.

Uma mão, um cigarro acesso.

Uma coluna de fumo que subia ao céu.

Uma noite perdida sem sonhos.

Uma beleza de mulher coberta por um véu.

Conheci um homem triste no mundo.

Conheci um homem, um mundo.

As manhãs chegavam logo.

Os sapatos sumiam com o dia.

Ao meio dia o sol ardia.

O mundo assava no asfalto.

As telhas dançavam sobre as casas.

E as crianças diziam: mãos ao alto!

No alto do morro do mucuripe.

Não importa se moro agora em Sergipe.

Desejo sonhar de novo.

Os sapatos ainda estão lá.

Os pés também.

Que bom...

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 4


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 4


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 1 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 4


""Ser deficiente, não é o final"" há 20 horas

Nos somos todos iguais, E ao mesmo tempo diferentes, Somos todos normais,...
joaodasneves Poesias 12


"Não sei teu nome, só sei que foi bonito" há 21 horas

Foste embora com o chegar da alvorada não sei nem como te chamas só sei ...
joaodasneves Poesias 9


"Aqui se chama traição" há 1 dia

Esquece-me, como eu te esqueci De ti, não quero nem ouvir falar Não sei...
joaodasneves Poesias 10