Sapatos

14 de Março de 2014 ROOSEVELT Poesias 278

Debaixo da cama de minha mãe, eu via um par de sapatos todas as noites.

Os sapatos calados me lembravam um rosto triste.

Uma voz roca a suplicar alento.

Um dia inteiro de calor e labor intenso.

Um homem tenso.

De corpo magro e pele branca.

De bigode grosso sobre lábios finos.

Uma mão, um cigarro acesso.

Uma coluna de fumo que subia ao céu.

Uma noite perdida sem sonhos.

Uma beleza de mulher coberta por um véu.

Conheci um homem triste no mundo.

Conheci um homem, um mundo.

As manhãs chegavam logo.

Os sapatos sumiam com o dia.

Ao meio dia o sol ardia.

O mundo assava no asfalto.

As telhas dançavam sobre as casas.

E as crianças diziam: mãos ao alto!

No alto do morro do mucuripe.

Não importa se moro agora em Sergipe.

Desejo sonhar de novo.

Os sapatos ainda estão lá.

Os pés também.

Que bom...

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
SÓ PARA DIZER BOM DIA. há 2 horas

Fiz ao nascer da alva, Sob a luz que o sol irradia, Estes versos vindos d...
madalao Poesias 5


DEIXA-ME NO TEU VENTRE há 2 horas

Deixa-me, no teu ventre, eu ficar, Neste ninho de amor tão quentinho. L...
madalao Poesias 5


Equação do Amor há 2 dias

Corre pra mim... Talvez eu ainda não saiba o que é o amor; Não tenha ...
a_j_cardiais Poesias 52


Qual é a Nossa Parte? há 2 dias

O conceito arminiano de que devemos fazer a nossa parte para que Deus pos...
kuryos Artigos 12


"Lagrimas" há 2 dias

Um silêncio triste e profundo Uma lágrima caiu Na tarde fria, e escura ...
joaodasneves Poesias 12


Realidade, Deixe-me Sonhar há 2 dias

Ah, realidade, realidade... Você não respeita minha privacidade. Vo...
a_j_cardiais Poesias 56