Andarilho da saudade

07 de Agosto de 2011 Fernando Calixto Poesias 444

O vento sopra em meu rosto, onde logo minhas lágrimas se espalham descompassadas. Corro em longos passos, tento alcançar aquilo que o tempo ainda afasta de mim, e a distância diverte-se em me castigar.
A terra fria sem o teu calor se faz presente de baixo dos meus pés, e assombra da solidão me acompanha á cada passo que dou. Os galhos das árvores que por onde passo, parecem garras querendo me definhar, na tentativa inútil de me afastarem de lhe encontrar.
Meus pés doem, paro e vejo o horizonte ao longe e nele já posso ver os primeiros raios de sol que põem fim a escuridão do meu caminho. Não posso parar, agora falta pouco, falta muito pouco pra finalmente deixar que meus pés descalços não toquem mais a terra fria e me abrigar em teu carinho.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Poema Rosa Para um Dia de Sol há 5 horas

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 32


Poema Suado há 5 horas

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 28


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 7 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 1 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


""Ser deficiente, não é o final"" há 1 dia

Nos somos todos iguais, E ao mesmo tempo diferentes, Somos todos normais,...
joaodasneves Poesias 13