Vem as nuvens passageiras

Com a tempestade em montaria

Cálices rompidos desde as fontes

Irrigando os campos verdejantes

Consagrando a fertilidade da terra

Escondem na face a luz do sol

Como um oceano der algodão

Que em vão procura adormecer

Pois os trovões e breves estalidos

Quebram todo o sossego dos montes

Eu aqui da janela

Me escondo por da minha alma

Assustada

(Clavio Juvenal Jacinto)