Certa vez, um marciano me disse
Que minha visão de vida fica trágica ao extremo.
Não foi dito. Foi dito um aviso.
Mas, como poderei atender ao aviso
Se minha realidade é repleta de pessimismo?

Novamente, o pessimismo em minha obra.
Eu não sou uma poetisa fingidora.
Eu sou uma poetisa realista.
Mesmo frequentando peças teatrais,
Não tive a honra de aprender a cobrir a realidade.

Minha atenção se despertou.
Até mesmo um marciano encabulou-se
Pelo meu pessimismo de vida
E mandou-me um aviso, alertando sobre a arte.
Mal sabe ele a minha vida terrena,
Onde o meu otimismo se perdeu pelo espaço da solidão.