Som do silêncio

09 de Agosto de 2011 Gisela Cardoso Poesias 462

A madrugada se aproxima
A madrugada me percegue
O frio chega, ninguém o recebe
Apenas o resta correr entre as minhas veias.
O sangue congela, o rosto se queima
Solitário, nenhum ruído
A escuridão, a minha doce amiga
A minha companheira
Que até mesmo de olhos fechados
Ela ainda estará comigo
Me perseguindo
Os sentidos, o que serão os sentidos?
Minha fala é dita, mas não pode ser ouvida
Estou aos ouvidos, mas não escuto
Só me resta guarda-me
Pelo som do silêncio.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Amor de Primavera há menos de 1 hora

Morena, quando tu flores, o verbo em ti, primavera, seguirá o caminho do...
a_j_cardiais Poesias 31


CICATRIZES há 5 horas

CICATRIZES Não se vive essa vida impunemente... Todo mundo, mais dia m...
ricardoc Sonetos 4


" Amar é" há 16 horas

Amar e como voar, no mais azul dos céus. É sentir a sensaçao de estar n...
joaodasneves Poesias 9


PAU DE FITAS há 20 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 8


Falta de Amor ao Próximo há 1 dia

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 45


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 1 dia

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8