Dor

09 de Agosto de 2011 Gisela Cardoso Poesias 352

As dores
As dores que sempre bateram em minha porta
E eu inocentemete não pude repudiar
Inocência?
Não! Fraqueza!
A fraqueza que carrego são correntes
Correntes da melancolia
A melancolia que corrego desde a minha gênesis
Que foram abrindo as feridas aos poucos
Até deixarem em carne viva
Gerando a dor maligna dos sentimentos.
Dor, tu não és culpada pelo meu sofrimento
Tu és a consequência da minha vida
Pois um dia quem sabe poderá dizer
Que é a dor a responsável pela a minha existência.
Simplesmente, a dor me mantêm viva.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Poema Rosa Para um Dia de Sol há 14 horas

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 38


Poema Suado há 14 horas

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 32


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 17 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 17 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 10


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 1 há 17 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 7


""Ser deficiente, não é o final"" há 2 dias

Nos somos todos iguais, E ao mesmo tempo diferentes, Somos todos normais,...
joaodasneves Poesias 13