Da vida tenho os pormenores
Saboreio cada letra, vírgula,
Som e reticência...
Não sei por que a persistência,
Em me lançar a este mar.

Da vida tenho a tormenta...
E a calmaria repentina,
Ardo em lívido luar
Ou no marrom de tua retina.

Da vida tenho a amplidão
Do longínquo horizonte,
O enleio da razão
E as minudências do amar...






Por: Wellington Decot Calcagno Rio de Janeiro, 10 de Agosto de 2011.