Deletério olhar

10 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Poesias 525

Guardo em mim uma fera,
Aprisionada por laços
Da limitadora matéria.
Resta-me atado à teia,
Olhos que até me abrasam,
Se acaso eu sair do padrão.

Destas severas faúlhas
Saltam sermões fastios.
Mitos, ilusões e falácias
Flagelam a alma pura
Com sua sana quimérica
E uma fastuosa razão.

São nesses olhos que vejo
A fantasia garbosa
De uma obscura paixão.



Rio de Janeiro, 19 de maio de 2011.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
"Dia do amor" há 2 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 9


"Estou triste" há 9 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 11


"Estou cá a matutar" há 10 horas

Esses dias ando meio triste muito confuso, ando a querer isolar-me, f...
joaodasneves Pensamentos 9


A Humildade nos Cai Bem há 15 horas

Se o domínio total é do Senhor, porque o poder pertence a ele, isto dever...
kuryos Artigos 8


Fuga da Inspiração há 16 horas

Preciso terminar um poema que comecei numa empolgação danada... Dep...
a_j_cardiais Poesias 45


Um Dilema há 16 horas

Estou aqui reclamando da minha "vidinha", enquanto tem alguém por aí que...
a_j_cardiais Poesias 49