Transtornos

08 de Maio de 2014 Pr CJJacinto Poesias 372

Transtornos

Turvo é o vento e traz
As folhas e as canções
A replica da face
Dos adornos desse céu estrelado
Meus pensamentos

Sobre o chão de meus lamentos
Vejo a dor adormecida
Como uma flor que se secou
No sol de um verão
Passado

Eu fico parado nas paragens
Um espírito abalado
Entre transtornos de chuvas de luzes
Como as bolhas de sabão
De sopros De labios puros

Qual o sabor das águas
Que escoam na madrugada
Entre as veias de orvalhos
Flocos de alvuras
Os fundamentos do amanhecer

Nas colinas entre sertões
Estou eu mesmo sentenciado
A perdoar setenta vezes sete
E ao menos ficar calado
Diante de meu espírito em torpor

Mas as agulhas da vida
Penetram no intimo
Rasga o caminho das fugas
Meu ser se liberta
Vou voando

Voa flutuando nesse vento
Braços abertos para a humanidade
Como um solitário peregrino
Isolado por dentro
Na imensidão de meus próprios sonhos

Clavio Juvenal Jacinto


Leia também
Mancha de Batom há 2 horas

Você se foi... Agora só resta a mancha de batom num copo, que me faz...
a_j_cardiais Poesias 42


Poesia Impura há 2 horas

Não deixe a poesia pura. Deixe um pouco de gordura e algum resquício de...
a_j_cardiais Poesias 38


REMEXENDO OS GUARDADOS há 15 horas

Entre as páginas amareladas Dum velho romance de amor Guardei a carta pe...
madalao Poesias 11


CLAMOR ( rondel) há 15 horas

Justiça! Vivo clamando aos quatro ventos. Silêncio! Porque resposta eu n...
madalao Rondel 6


OH HOMEM! (rondel) há 15 horas

Oh homem! Teus calores me agitam, E meu corpo fica em estado convulsivo. ...
madalao Poesias 7


E AGORA? (rondel) há 15 horas

E agora? Que podemos fazer? Remediar é coisa que não adianta. O mal f...
madalao Rondel 8