Cegueira

10 de Agosto de 2011 William Adriano Poesias 453

Cegueira
(de William Adriano)

Caminhávamos sem rumo
Desviávamos dos entulhos
Cabisbaixos em meio à névoa
Trôpegos e sonâmbulos

Nossos olhos se abriram de repente
Cores antes não percebidas
Traços antes não compreendidos
Sorrisos antes não afáveis

Agora era possível se desviar do lodo
As pedras não eram motivo de tropeço
Como antes eram para nós

Agora sentíamos a brisa da estrada
Podíamos olhar pra trás se quiséssemos
Só não era possível retornar

//canticospelapaz.blogspot.com/
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
PLEONÁSTICO n°2 há 13 horas

PLEONÁSTICO n°2 Encarasse de frente, não soslaio... Talvez, olhos no...
ricardoc Sonetos 4


ANTIFACISTA há 15 horas

ANTIFACISTA De irrestível apelo aquela união De fortes se fazendo 'in...
ricardoc Sonetos 4


A rua me aceita como sou há 18 horas

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 54


Não seja superficial há 19 horas

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 70


"Dia do amor" há 21 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 12


"Estou triste" há 1 dia

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 14