O olhar da esfinge

10 de Agosto de 2011 William Adriano Poesias 1346

O olhar da esfinge
(de William Adriano)

Confesso estar preso as formas
Formas configuradas mortas
Pois formas sem forças são mortas
Mortos, sem forças, sem formas

Cadeias explosivas de pensamentos mortos
Pensamentos deformados pelo ego corrompido
Não é bom sonhar e não se entregar à luta
É relevante devido aos desejos ainda escondidos

Pois às margens do abismo das nossas vaidades
Podemos ser estrangulados pelas nossas mentiras
Que contamos para nós mesmos
Com medo de sermos descobertos
Por nossos próprios sonhos ideais

Então ao perdermos a noção da realidade
Sem termos motivos pra continuar o trajeto
Nos vemos diante de uma grande esfinge
Que sonda nossas faltas e podridões

Nos apresentando um enigma, um dilema
Que nos faz pensar em quem nós somos
E qual caminho devemos tomar
De agora em diante, sem medo de errar


//canticospelapaz.blogspot.com/
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Paz Celestial há 5 horas

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 5


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 20 horas

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 38


Poema Suado há 20 horas

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 34


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 23 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 12


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 23 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 10


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 1 há 23 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 10