O olhar da esfinge

10 de Agosto de 2011 William Adriano Poesias 1292

O olhar da esfinge
(de William Adriano)

Confesso estar preso as formas
Formas configuradas mortas
Pois formas sem forças são mortas
Mortos, sem forças, sem formas

Cadeias explosivas de pensamentos mortos
Pensamentos deformados pelo ego corrompido
Não é bom sonhar e não se entregar à luta
É relevante devido aos desejos ainda escondidos

Pois às margens do abismo das nossas vaidades
Podemos ser estrangulados pelas nossas mentiras
Que contamos para nós mesmos
Com medo de sermos descobertos
Por nossos próprios sonhos ideais

Então ao perdermos a noção da realidade
Sem termos motivos pra continuar o trajeto
Nos vemos diante de uma grande esfinge
Que sonda nossas faltas e podridões

Nos apresentando um enigma, um dilema
Que nos faz pensar em quem nós somos
E qual caminho devemos tomar
De agora em diante, sem medo de errar


//canticospelapaz.blogspot.com/
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
A dor fazia lembrar. há 9 horas

Eu lhe atribui tudo de muito vil... No mais absoluto reflexo e pensar. P...
elisergio Sonetos 15


Meu sonho de mulher há 11 horas

Você é o meu sonho de mulher meu pensamento que se tornou realidade.. C...
anjoeros Poesias 9


Um encontro,mil borboletas no estômago... há 11 horas

Te conheci um dia Sem grandes pretensões. Uma amizade,um momento E de r...
anjoeros Poesias 5


Morena,doce veneno há 11 horas

Morena,pequena. Doce veneno que não se pode guardar. Intensa e forte, ...
anjoeros Poesias 10


Amor na net há 18 horas

Hoje em dia,quem não está sempre ligado na net? Impossível não estar. N...
anjoeros Artigos 13


A mulher certa há 18 horas

ME RASGA TODO,ME MORDE, ME PÕE CONTRA A PAREDE E ME MOSTRA QUE EU ESCOLHI...
anjoeros Poesias 19