A partida

10 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Poesias 439

Devo ir, quando o teto do céu enegrecer
Quando bocas calarem, cansadas, inertes.
E a mão fria do vento, minha pele tocar
Nenhum murmúrio, no escuro escutar.
É quando deves enfim me esquecer.

Devo ir, vagar pelos olhos vazios da noite
Sentir que entre tantos, sozinho estou,
Reler os meus dias em poças no chão
Sabendo que apenas restou o açoite.

Devo ir, divagando à erma morada feraz,
Chutando os sonhos derramados ao chão
Inebriado com o sumo que me é aprazível
Deixar-me leve e soluto só ele é capaz.

Devo ir, para longe do espelho nebuloso
Que do eu, mostra apenas a palidez
Detendo o mais alto adejar do condor,
Fazendo tão pobre, o bailar majestoso.




Rio de Janeiro, 13 de maio de 2010.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
O PERDÃO DE DEUS há 5 horas

Todos estão afastados de Deus por causa do pecado, Deus sempre buscou u...
denilson Mensagens 10


A OBRA DO ESPÍRITO SANTO EM RELAÇÃO A IGREJA há 5 horas

Habita na igreja como seu templo, É derramado como chuva sobre a igreja...
denilson Mensagens 8


Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos 2 há 5 horas

As Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos – P2 Por Charles H....
kuryos Artigos 10


Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos 1 há 5 horas

As Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos – P1 Por Charles H....
kuryos Artigos 13


A OBRA DO ESPÍRITO SANTO EM RELAÇÃO AO CRISTÃO há 5 horas

Habita em todo verdadeiro cristão e convence o pecador do seu pecado, R...
denilson Mensagens 9


MEMBROS DO REINO DE SATANÁS há 6 horas

As características dos membros do reino de Satanás, Adotam a increduli...
denilson Mensagens 12