A partida

10 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Poesias 437

Devo ir, quando o teto do céu enegrecer
Quando bocas calarem, cansadas, inertes.
E a mão fria do vento, minha pele tocar
Nenhum murmúrio, no escuro escutar.
É quando deves enfim me esquecer.

Devo ir, vagar pelos olhos vazios da noite
Sentir que entre tantos, sozinho estou,
Reler os meus dias em poças no chão
Sabendo que apenas restou o açoite.

Devo ir, divagando à erma morada feraz,
Chutando os sonhos derramados ao chão
Inebriado com o sumo que me é aprazível
Deixar-me leve e soluto só ele é capaz.

Devo ir, para longe do espelho nebuloso
Que do eu, mostra apenas a palidez
Detendo o mais alto adejar do condor,
Fazendo tão pobre, o bailar majestoso.




Rio de Janeiro, 13 de maio de 2010.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
"Feliz...dia...de...São João" ... há 1 hora

Quem dera ir mais além, cantar mais alto Sobre esse chão salgado onde na...
joaodasneves Poesias 4


No Vento da Literatura há 2 horas

Gosto da poesia quando chega de surpresa... Pode não ter beleza, mas q...
a_j_cardiais Poesias 27


Bendito Amor Eterno há 22 horas

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 11


"Vendo" há 1 dia

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 7


"Te amo vinho tinto" há 1 dia

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 9


Gradeados há 1 dia

O céu está logo ali, depois dessa janela enjaulada... Meu amor é qua...
a_j_cardiais Poesias 60